ESPAÇO DE APOIO A INFORTUNADOS, MISERÁVEIS E DESGRAÇADOS EM GERAL
Quinta-feira, 24 de Novembro de 2011
Manifesto

O meu wall do facebook foi invadido por mensagens de raiva face à greve geral e aos selvagens do século passado que a ela aderiram. Como decidi participar na paralisação e me considero um tipo relativamente civilizado, não consigo resistir a comentar alguns pontos em que me parece haver injustiça de argumentação.

As pessoas em greve perdem um dia de salário. As pessoas em greve que cumprem serviços mínimos, como os médicos, perdem o salário e trabalham à mesma, porque fazem questão de formalizar a adesão à greve. O impacto pernicioso no PIB e na produtividade é um mito, porque a esmagadora maioria das empresas que conta para o PIB recupera a produção noutros dias. Provavelmente a produtividade aumenta em muitas empresas porque a produção se mantém e a carga salarial das empresas desce.

Há pessoas, como eu, que não fazem greve porque um sindicato ou um partido lhes diz para fazer greve. Fazem-no porque têm a convicção profunda de que as opções que estão a ser tomadas a nível europeu, com reflexos imediatos nos decisores nacionais, estão erradas. Que pensam que qualquer ajustamento financeiro tem de ser feito em prazos e em condições que não ponham em causa as bases do funcionamento da economia, da sociedade e da democracia. Infelizmente, não é possível participar nos actos eleitorais alemães ou franceses, e o Banco Central Europeu nem sequer tem dirigentes eleitos. Não me lembro de nenhum programa eleitoral que, nas últimas eleições legislativas em Portugal, referisse que, através de cortes em subsídios de Natal e de férias, iria haver funcionários públicos e pensionistas com reduções de rendimentos superiores a 30% ao longo do programa de assistência económica. A greve acaba por ser o mecanismo que resta para mostrar esse descontentamento. Mesmo que não mude nada a curto prazo, serve como simbolismo.

Não faço ideia se a greve faz com que haja mais gente em esplanadas ou em centros comerciais. No meu caso, vou ficar em casa a ler dois ou três textos sobre economia. Como o principal motivo para a falta de competitividade do país é a falta de qualificações dos trabalhadores, acho que é um bom contributo para fazer subir o PIB.



publicado por João às 16:30
link do post | comentar | favorito

Correio
carpideiras@sapo.pt
Subscrever
arquivos

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


subscrever feeds