ESPAÇO DE APOIO A INFORTUNADOS, MISERÁVEIS E DESGRAÇADOS EM GERAL
Segunda-feira, 11 de Agosto de 2008
Ainda o BES

1.Deve ser masoquismo, tendo em conta o actual sentimento da nação, mas o meu sobrolho continua a franzir com a acção policial durante o sequestro no BES. Quem percebe de armas explicou-me que a bala que atravessa o vidro do banco vem de dentro para fora, porque é do lado de fora do vidro que se vê poeira a formar-se. Isto significa que a aselhice de disparar através de um vidro espesso não foi da PSP e sim do criminoso, o que me deixa um pouco mais descansado do que no post anterior, neste ponto específico. Contudo, essa evidência mostra que houve um sniper que falhou um tiro e que o assaltante não só teve tempo para proteger-se com o refém como para disparar contra ele, se assim entendesse. Assim sendo, as minhas principais dúvidas mantêm-se: a intervenção policial minimizou ou maximizou os riscos para os reféns, teve o timing certo ou foi extemporânea?

 

2.As minhas interrogações dizem também respeito às negociações e por que motivo falharam. Surgem notícias de que não chegou a ser feito um perfil dos sequestradores e que terão sido os próprios negociadores a atrair os assaltantes para a porta, provocando o momento mais tenso da noite, que ditou a intervenção final. Além disso, pelo que vi num vídeo da SIC, relativo a um outro caso, em Abrantes, os negociadores da PSP usam tamanho paternalismo que se eu fosse sequestrador desatava a matar reféns só para os calar.

 

3. Convém não esquecer que, na semana anterior à do sequestro do BES, a equipa de operações especiais da PSP, que é agora alvo de elogios sem paralelo, andou metida numa captura no mínimo estranha. Em Abrantes, andou a "trocar" tiros com uns jagunços e um polícia acabou ferido. Por si só, isto não quereria dizer nada, não houvesse uma pequena curiosidade: não foram encontradas armas na posse dos criminosos e, no local, só foram descobertos projécteis de polícia. Sim, é mesmo verdade: um dos GOE, daqueles que treinam todos os dias, que têm miras que vêem um pintelho a três quilómetros e cujas armas disparam a uma velocidade de ziliões por segundo, andou a dar tiros no rabo de um colega. Esse processo está a ser alvo de inquérito, ordenado pelo ministério público de Abrantes.



publicado por João às 02:58
link do post | comentar | favorito

Correio
carpideiras@sapo.pt
Subscrever
arquivos

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


subscrever feeds