ESPAÇO DE APOIO A INFORTUNADOS, MISERÁVEIS E DESGRAÇADOS EM GERAL
Terça-feira, 12 de Outubro de 2010
...

Há mais de vinte anos, a despesa pública estava controlada. Um percurso de autocarro entre um bairro na periferia de Odivelas e Alvalade chegava a demorar três horas, com o trânsito. Se não se vivesse ou trabalhasse nos sítios onde o veículo parava primeiro, andar naquele meio de transporte implicava algum tipo contacto íntimo com mamas, rabos e sovacos, dada a quantidade de passageiros lá dentro. Se a viagem fosse feita entre o aeroporto e o Campo Grande, havia barracas dos dois lados da estrada, um excelente indicador de qualidade de vida e um belo quadro para os turistas que cá vinham. Pode-se sempre voltar a esse modelo de desenvolvimento. Algumas das empresas mais deficitárias do país são a CP, a Carris, a Rodoviária de Lisboa e o Metro de Lisboa. Pode-se certamente cortar nesta despesa pública, deixando de fazer alguns percursos. Por que motivo é que não se pode acabar com comboios que só levam dois ou três velhos para Trás-os-Montes, se os preços dos bilhetes não compensam os gastos e há tantos velhos que aguentam bem as caminhadas até Fátima? Podemos deixar de subsidiar as rendas dos bairros sociais e deixar que os ciganos acampem ao lado da segunda circular. Podemos deixar de ter institutos despesistas, como o INEM, o Instituto Português de Sangue ou o Instituto Ricardo Jorge.



publicado por João às 02:29
link do post | comentar | favorito

...

Se isto corre mal, corre mal a sério. A moda europeia de mais impostos e cortes salariais vai fazer com que as pessoas consumam menos, que as empresas percam negócio e que os despedimentos aumentem. Já se dá de barato que parte da classe política ignore a violência que é alguém ficar sem o emprego e ache que se devem pôr os preguiçosos a combater fogos. Já é mais estranho que se ignorem as consequências. Em Maio deste ano, em Espanha, a Caja Sur esteve prestes a ir à falência. Esta caixa de aforro, propriedade da igreja católica - que neste caso abriu uma excepção ao pecado da usura e encontrou redenção nos investimentos de risco -, teve de receber ajuda do Banco de Espanha. O banco de todos injectou dinheiro no banco dos padres, impedindo que milhares depositantes perdessem o dinheiro que ali tinham guardado. O banco é de Córdova, na Andaluzia. É a segunda região espanhola com mais desemprego: 28% da população activa estava sem trabalho, na altura, segundo o INE espanhol. Entre os mais novos o cenário era pior. Na população entre 16 e 19 anos, a taxa de desemprego estava em 68% e entre os 19 e os 25 anos atingia 47%. O banco entrou em insolvência devido à quantidade de pessoas que deixaram de pagar a prestação da casa.



publicado por João às 02:28
link do post | comentar | favorito

...

O CDS quer pôr na Constituição um limite de 35% para a carga fiscal. A economia dinamarquesa, a sueca e a generalidade dos países mais desenvolvidos do mundo seriam inconstitucionais.

 

 

 

Economistas e políticos mais rígidos têm defendido limites constitucionais à despesa pública. Dinamarca, Finlândia e Suécia são aberrações.

 

 

O défice é um mito. Se recuarmos ao período entre 2000 e 2007, antes da crise financeira, quais os dois países do euro com melhor comportamento nas contas públicas? Espanha e Irlanda, que chegaram a ter excedentes orçamentais. Estão agora no mesmo grupo de porcos incumpridores da Europa, sob a ameaça do FMI. Espanha entalou-se com uma "bolha imobiliária", um eufemismo bonito para os bancos que andaram a emprestar dinheiro ao desbarato para condomínios e sanitas que ninguém compra. Na Irlanda a bolha foi financeira - havia demasiada gente parecida ao António Borges a comprar acções e derivados. Talvez, mas só talvez, o défice orçamental não seja o melhor indicador para avaliar a solidez de uma economia. Talvez a Europa devesse preocupar-se mais em controlar o movimento de capitais e em regular as exuberâncias irracionais dos mercados do que em ser contabilista dos governos. Ou com mecanismos comunitários de apoio a países em dificuldades financeiras e com políticas de investimento que gerem crescimento económico. A carga fiscal e a despesa pública não dizem nada por si só, se não forem ponderadas pelos serviços prestados pelo Estado, pelo crescimento do PIB e pela distribuição do rendimento. O problema crónico de Portugal é a incapacidade de crescimento, para a qual a falta de qualificação é um dos maiores contributosVamos ver como evolui a taxa de escolarização nos próximos anos, com cortes de salários, do abono de família e da acção social escolar.



publicado por João às 02:23
link do post | comentar | favorito

Correio
carpideiras@sapo.pt
Subscrever
arquivos

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


subscrever feeds