ESPAÇO DE APOIO A INFORTUNADOS, MISERÁVEIS E DESGRAÇADOS EM GERAL
Quarta-feira, 21 de Janeiro de 2009
Obama

Consegui ver boa parte da cerimónia da tomada de posse de Obama, mas o momento mais simbólico, quanto a mim, aconteceu antes. Dick Cheney, o obscuro cão de fila das políticas mais animalescas da administração Bush, saiu da Casa Branca de cadeira de rodas e com uma bengala ao colo. Foi impossível não pensar naquele plano televisivo como o retrato do que estava a acontecer nos Estados Unidos. Foram poucos os segundos em que as câmaras captaram Cheney e não encontrei fotos de agências com essas imagens. Provavelmente, a imprensa acordou com a Casa Branca que a debilidade do antigo vice-presidente não seria explorada. Foi tratado com a dignidade que não respeitou nos outros.

 

Quem tem genes mais avessos à comoção já anda por aí a avisar que Obama não será o salvador e o revolucionário ansiado, que vai desiludir as pessoas. É possível, até provável. Mas encarar esta mudança dessa forma é o mesmo que pensar que as pessoas não se devem apaixonar porque a atracção passa ao fim de algum tempo. Ou pensar que mais vale ser pobre toda a vida para não correr o risco de um dia perder a fortuna. Só o facto de ter tirado do poder uma equipa de lunáticos e de ter dado esperança a tantas pessoas cujas vidas estão repletas de dificuldades já fez deste mandato um sucesso. Pode vir a bombardear muita gente e a desiludir quem o apoiou. Mas ontem foi o primeiro dia em que um hino de muitos comunistas, ex-comunistas, comunistas renovadores, trotskistas, socialistas e esquerdistas de toda a espécie foi cantado na Casa Branca. Só isso já fez história.

 

 



publicado por João às 02:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 14 de Janeiro de 2009
Teoria geral das mamas no cinema português

Vai estrear um novo filme português chamado "Contrato". Cláudia Vieira mostra as mamas no trailer, por isso não é difícil de adivinhar que se tornará num dos filmes nacionais com as maiores audiências de sempre, tal como aconteceu com os filmes em que Soraia Chaves mostrou as dela. Após décadas e décadas de subsídios e de filmes de Manoel de Oliveira sem mamas, o cinema cá da terra finalmente descobriu como pôr centenas de milhares de pessoas a entrarem numa sala para verem um filme mau. Não sei é se esta elaborada técnica de marketing é sustentável. O tipo de público que vai ao cinema ver as mamas da Cláudia Vieira e da Soraia Chaves provavelmente sai da sala à meia noite e segue de imediato para uma casa de alterne, para ver mais umas quantas. Vai ao cinema de dois em dois anos, quando vê mamas no trailer de um filme, e em Portugal não há assim tantas actrizes cujas mamas sejam motivo de cobiça unânime da comunidade tunning.



publicado por João às 01:50
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 13 de Janeiro de 2009
Incompetentes bem sucedidos

Numa entrevista recente a Daniel Bessa, no Jornal de Negócios, descobri uma das mais interessantes teses acerca do mundo laboral, com clara aplicação nas empresas em Portugal. Segundo o Princípio de Peter, referido pelo economista, um trabalhador de uma organização hierárquica vai subindo na vida até ao ponto em que atinge uma função para a qual é incompetente.



publicado por João às 01:22
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 12 de Janeiro de 2009
Ao preço da chuva

Chegou-me às mãos um livro sobre mercados financeiros através do qual descobri que, no vasto espólio de instrumentos à disposição dos investidores, está o que se designa como weather derivatives. Literalmente, são produtos financeiros cuja cotação varia consoante chove ou faz sol. O autor esforça-se por explicar que há muitas actividades económicas dependentes das variações climatéricas e que estes produtos são úteis na gestão do risco (hedging) das empresas contra mudanças abruptas no tempo. A mim não me convenceu, mas deve ser falha minha. Para o Xico Zé Linguiça lá de Trás-os-Montes, é óbvio que dá muito jeito poder sair da tasca, depois de uns copos de tinto no final do dia no campo, ir para casa e pôr-se no portátil a investir milhões de dólares em hedge funds. Não admira que tudo tenha desmoronado como um castelo de cartas.

 

PS: Quem tiver uma conta bancária recheada, pode ir ao mercado de Chicago onde são feitas estas transacções e apostar que esta vaga de frio polar vai continuar, nos próximos dias. Se acertar, fica rico mas com frio. Se falhar, fica pobre mas quentinho. O hedging é isto.



publicado por João às 03:26
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 7 de Janeiro de 2009
The filth and the fury

Jones: You dirty sod. You dirty old man.

Grundy: Well keep going chief, keep going. Go on. You've got another five seconds. Say something outrageous.

Jones: You dirty bastard.

Grundy: Go on, again.

Jones: You dirty fucker.

Grundy: What a clever boy.

Jones: What a fucking rotter.

 

O caderno P2 do Público recordava ontem os 32 anos do despedimento dos Sex Pistols pela editora EMI, cuja génese remonta a esta entrevista televisiva.

 

Epílogo: O tablóide Daily Mirror faz a manchete que se vê em baixo. O entrevistador, que estava alcoolizado no programa, é despedido. O grupo torna-se um fenómeno mediático mas, depois de distúrbios no aeroporto de Heathrow, é também despedido pela EMI porque dava uma má imagem à editora. Hoje em dia estão ricos. Insultar pessoas pode ser uma boa maneira de ser promovido.

 



publicado por João às 01:35
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 6 de Janeiro de 2009
O sistema financeiro em 384 caracteres

Há um ano e meio, surgiu o subprime. Entre os vários bancos com exposição excessiva aos produtos derivados do crédito de alto risco estava o BNP Paribas. Há um mês, soube-se que o BNP Paribas podia ter uma exposição de 350 milhões de dólares ao esquema Madoff. Há dois minutos, na Bloomberg, vi uma analista do BNP Paribas ser entrevistada sobre as tendências de investimento em 2009.



publicado por João às 01:25
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 5 de Janeiro de 2009
Bom 2009?

Dores oculares, na cabeça, nas articulações e no peito; ligeira sensação de fadiga. Ou é gripe ou o meu corpo gerou um caso raro de rejeição ao trabalho, porque só se manifestou ontem - véspera do reínicio em força das jornadas de luta - e não nas férias. Nas figuras públicas, isto cura-se com uma ida ao médico que nos diagnostica fibromialgia e permite que fiquemos de baixa o resto da vida. Eu vou ter de usar ben-u-ron.



publicado por João às 03:09
link do post | comentar | favorito

Correio
carpideiras@sapo.pt
Subscrever
arquivos

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


subscrever feeds